17 de maio de 2010

Hoje como eu queria ter uma máquina fotográfica na bolsa. Tinha um mendigo deitado em um carro desses de carregar papelão dormindo segurando o rabo de um cachorro branco, vira-lata, mas o cachorro sorria dormindo. Dai eu virei porque achei a cena tão sei lá, sui generis, dai o mendigo sorriu. Eu não sei explicar direito o porque que eu gostei daquilo.

Eu morro de medo de levarem minha câmera de novo. Mas deixar de guardar certas coisas que eu sei que a memória talvez não guarde, dói. E eu tenho tanta coisa que queria guardar, dai não sei se acho válido guardar pra mim, na memória, que nem no dia que a Amaralina estava que nem aquele deserto de sal boliviano, ou no dia que eu vi um menino apaixonado por uma menina cheio de dedos no ponto de ônibus.

Um dia eu supero.

Um comentário:

e o que você tem a dizer????